março 17, 2013

Uma Aventura em Buenos Aires Parte VI


Estava claro que o polícia tinha aceitado suborno e a menos que eu lhe entregasse o meu dinheiro também, eu não conseguiria sair dessa são e salvo, mas eu não podia usar o dinheiro da Rocio para isso, não seria justa[...]


Uma Aventura em Buenos Aires                                                               Voltar para Parte V
ParteVI

Estava claro que o polícia tinha aceitado suborno e a menos que eu lhe entregasse o meu dinheiro também, eu não conseguiria sair dessa são e salvo.

Eu não podia usar o dinheiro da Rocio para isso, não seria justa, então entreguei a minha camera para o policial dizendo que talves ele tivesse que confiscar a camera. Lhe dei aquele olhar de quem está oferecendo suborno e o polícia percebeu.

- Entendido. Garoto esperto, sabe direitinho como funciona a lei. Disse o policial enquanto checava a camera. Nisso o outro policial se aproxima; mais velho, provavelmente mais safado que o primeiro.

- Essas porcarias têm número de série, isso vai dar merda. É dinheiro vivo ou nada. Disse o policial velho, para o mais novo. Então o primeiro policial me devolve a camera e eu lhe entrego a bolsa com dinheiro.

- Então confisque isso. Digo enquanto entrego a bolsa cheia de dinheiro. Os policiais sorriem e enquanto voltam para a viatura dissm: - Nós sempre fazemos ronda por aqui. Se voltarmos a ver qualquer um dos 3 aqui, metidos em problemas de novo, a coisa vai ficar feia.

Rocio deixa a viatura e me abraça. Me surpreendo por ela nem se importar em haver perdido o dinheiro. Ela só pensava em mim. Eu a abraço também.

- Entre no carro, vamos te levar para o hospital. O caminhoneiro tenta resistir, mas eles o levam de qualquer maneira. Os polícia sempre sabem quando o sujeito é bandido, só pelo olhar. Eu tenho pra mim que o levaram para a prisão, mas não fiquem para perguntar. Saimos dalí o mais rápido que pudemos. Eu ainda sentia as minhas pernas tremerem com o susto, mas agora estava tudo bem.


Na manhã seguinte eu prometi a Rocio que trabalharia mais para recuperar o dinheiro "confiscado" e decidi que era hora de procurar um emprego melhor. Apesar de eu estar feliz com a Rocio, aquilo não era vida, eu precisava de algo melhor e que não fosse perigoso nem pra mim e muito menos para ela. A felicidade que ela me faz sentir sempre ofuscou a condição horrível em que eu estava vivendo, mas esse episódio abriu os meus olhos.

Então daquele dia em diante comecei acordar mais cedo e dormir mais tarde para fazer mais pulseiras. Ela vendia no Obelisco e eu vendia na feira em frente a faculdade ou em frente ao cemitério alemão, assim tínhamos acesso a mais gente ao mesmo tempo.

Eu dormia tão poucas horas que qualquer um no meu lugar já pareceria um zumbi, mas eu não. De alguma forma a paixão me alimentava e dava forças. Estávamos muito felizes juntos. Continuávamos cantando juntos e aprendendo e ensinando um ao outro espanhol e português.

A cachorra magrela sempre nos acompanhava, mas quando nos separávamos, ela preferia a companhia de Rocio. Cachorra esperta, podia sentir a bondade dela lá no fundo.

Depois que consegui ganhar de novo todo o dinheiro "confiscado", voltei a dormir mais e a passar o dia inteiro com o meu amor. Com esse dinheiro extra, percebi que levando a mesma vida apertada de sempre, nós conseguiríamos juntar um trocadinho todo mês e que assim eu poderia comprar um computador e com internet eu poderia trabalhar online e começar a construir uma vida melhor, já que eu começava a pensar em ter um futuro com a Rocio, era hora de começar a pensar em ter algo de bom a mais para oferecer a ela. Por enquanto a paixão estava nos anestesiando, mas eu precisava tirar-nos dessa situação antes que a vida dura começasse a machucar.


Meses passaram, de estação em estação, todas bem marcadas e lindas. O caminhoneiro nunca mais deu as caras. Conseguimos o dinheiro para comprar um laptop barato e uma internet com USB de 3G.

As coisas pareciam estar indo bem. Ainda muito apaixonados, eu adorava cada coisa que ela fazia, tudo, desde a forma de se vestir e falar, até o seu cheiro e a forma de amar. O amor nos mantinha felizes

Comecei a trabalhar postando e vendendo fotos na internet, em sites de stuck photos. O negócio começa de vagar mas é promissor. Por sorte Rocio me apoiava muito, ela é a mulher perfeita.

Sempre que podia eu ia até o obelisco para ajudá-la e acabava tirando fotos ótimos que mais tarde me trariam dinheiro.
  

Alguns hippies que também trabalham no Obelisco estavam partindo, iam passar uns meses no Sul da Argentina. 
Como Rocio e eu podiamos trabalhar de qualquer lugar, aceitamos a oferta dos hippies de pegar uma carona com eles. Rocio sempre quis ver a Patagônia, então até lá nós acompanharíamos os hippies em sua combi.

Arrumamos as malas e levamos a cachorra. Eu me sentia seguro, pois os conhecia, de sempre vê-los trabalhar do outro lado da rua, como nós. A viagem prometia ser divertida, mas logo eu iria descobrir que eu não podia confiar em todas as pessoas naquela combi.      







Você também pode contar sua história. Um passeio que veio fazer ou sua experiência vivendo aqui divida com outros sua história (enviar história).
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

2 comentários:

  1. Cara, a história desse cara é muito manera.

    ResponderExcluir
  2. Posta o resto logo...

    ResponderExcluir